Tudo o que aconteceu no mundo da moda nesta terça-feira

por Milena Otta

O mundo da moda é uma crescente no mercado com diversos lançamentos diários e, por isso, as notícias estão sempre em alta, aqui estão as de maior destaque hoje:

Gisele Bündchen assina com CAA Fashion

Gisele Bündchen assinou contrato com a CAA Fashion da Creative Artists Agency, uma divisão crescente da agência de entretenimento e esportes com sede em Los Angeles. A supermodelo brasileira - conhecida simplesmente como Gisele - não é mais representada pela IMG Models, mas continua assinada com a United Talent Agency para representação fora da moda e beleza.

Liderada pelo agente de talentos Christian Carino, a CAA Fashion está ocupada assinando grandes nomes da moda e do entretenimento desde o lançamento em 2020. A lista da agência inclui as modelos Claudia Schiffer, Alessandra Ambrosio, Winnie Harlow, Duckie Thot, Kate Upton, Leomie Anderson, Indya Moore, Lourdes Leon, Leni Klum, além de representar nomes como o estilista Prabal Gurung, a fotógrafa Annie Leibovitz e o maquiador Sir John.

Gisele Bündchen - notícias - tudo o que aconteceu - news - mundo da moda - https://stealthelook.com.br
Foto: Gisele Bündchen (Reprodução/Instagram)

Bündchen, 41, tem 21 anos de carreira na moda. Ela foi fotografada por fotógrafos proeminentes e desfilou para as mais notáveis ​​casas de moda da indústria. Estrelando em campanhas para Christian Dior, Dolce & Gabbana, Louis Vuitton, Givenchy, Versace, Victoria's Secret e Ralph Lauren e enfeitando as capas da Time, Forbes, Rolling Stone, Vogue, W, Elle e Harper's Bazaar, Bündchen — casada com o quarterback da NFL Tom Brady - é um dos rostos mais conhecidos do mundo.

Entre seus muitos empreendimentos, Bündchen atua como Embaixadora da Boa Vontade do Programa Ambiental das Nações Unidas desde 2009. Em 2018, ela lançou o best-seller do New York Times “Lições: meu caminho para uma vida significativa”, compartilhando sua história pessoal.

A nova ferramenta da Chloé para medir o impacto social da moda

Depois de se tornar o primeiro grande player do luxo a obter a certificação B-Corp no ano passado, a Chloé, de propriedade da Richemont, quer assumir a liderança na compreensão do impacto social da moda. A empresa disse na terça-feira que está trabalhando com o Institut Français de la Mode e o Conservatoire National des Arts et Métiers para desenvolver uma ferramenta que ajudará as marcas a medir seu desempenho em questões como igualdade de gênero, salários dignos, diversidade e inclusão.

A iniciativa aponta para um impulso crescente na indústria para buscar formas mais sustentáveis ​​de operar. À medida que cresce o escrutínio de investidores, reguladores e consumidores, as empresas estão estabelecendo metas cada vez mais ambiciosas e procurando maneiras de medir e demonstrar o progresso.

“Para se aprimorar em sustentabilidade, você precisa de números, medições, KPIs”, disse Aude Vergne, diretora de RSC da Chloé. Quando se trata de medir o impacto ambiental, existem várias metodologias estabelecidas, “mas medir seu efeito social na vida das pessoas, nos fornecedores, é mais difícil”.

A ferramenta Social Performance and Leverage (SP&L) da Chloé está em desenvolvimento há 18 meses. Seu nome é um aceno para o bem estabelecido Environmental Profit and Loss, ou EP&L, metodologia empregada pelo grupo de luxo rival Kering, e aponta para as ambições da Chloé de desenvolver uma ferramenta que seja usada em toda a indústria (embora, ao contrário do EP&L, o SP&L não colocará um valor financeiro no impacto social).

Chloé - notícias - tudo o que aconteceu - fashion - mundo da moda - https://stealthelook.com.br
Foto: Chloé (Reprodução/Instagram)

A marca também encontrou maneiras de tecer sua herança na iniciativa: a ferramenta se baseia na experiência do economista francês Philippe Aghion, filho do fundador da Chloé, Gaby Aghion, para criar uma medida de “qualidade do trabalho”.

Em janeiro, a Chloé testou a ferramenta em sua coleção de prêt-à-porter primavera 2022. Os resultados permitiram que a marca se afastasse de uma conversa focada em conformidade para um diálogo mais construtivo com os fornecedores, disse Vergne.

Ainda este ano, a empresa planeja lançar um processo de consulta em todo o setor para testar ainda mais a metodologia antes de fornecê-la como uma ferramenta de código aberto em 2023. A ferramenta foi desenvolvida para a indústria da moda, em vez do luxo, onde muitas das marcas da Richemont focaram, mas Chloé está discutindo com outras maisons do grupo sobre a adoção mais ampla da ferramenta, disse Vergne.

LEIA MAIS:

Girl crush: 7 looks que queremos roubar da Catarina Gavassi

As fashionistas estão obcecadas por essa calça tendência

7 tendências do street style da semana de moda de Nova York que você também vai querer usar

Celebrando a cultura negra britânica: o retorno de Ozwald Boateng a Londres

O retorno de Ozwald Boateng à London Fashion Week não foi como qualquer outro evento na programação. O show começou com uma montagem de vídeo de retratos de criativos negros na música, moda, arte e cinema, seus nomes apareceram na tela no ritmo de uma bateria crescente. Modelos em ternos bem cortados e sedas esvoaçantes misturados com uma longa lista de celebridades - incluindo os atores Idris Elba e Nicholas Pinnock, e os músicos Dizzee Rascal e Kojey Radical - no palco do Savoy Theatre de Londres.l.

“Esta é uma celebração da cultura, a cultura negra, aqui neste país há 30, 40, 50 anos”, disse Boateng antes do show em um dos salões do hotel. Depois de décadas sendo “o único negro na sala”, o designer disse que finalmente está vendo uma mudança na indústria.

“Na minha própria coleção, minha capacidade agora de expressar minha cultura [no] meu trabalho é ilimitada agora”, disse ele. “Antes eu tinha que ser muito mais inteligente na minha abordagem, eu não conseguia ser tão na frente como posso hoje. É quase como se o tempo agora me permitisse expressar criativamente o que eu realmente quero dizer.”

Ozwald Boateng - fashion - tudo o que aconteceu - runway - mundo da moda - https://stealthelook.com.br
Foto: Ozwald Boateng (Reprodução/Andrew Barber)

A extravagância marca uma espécie de retorno ao lar para o designer, cujo último show presencial em 2019 foi realizado no lendário Harlem Apollo Theatre de Nova Iorque, onde grandes nomes da música como Sarah Vaughan, Billie Holiday, Ella Fitzgerald e James Brown começaram. Na verdade, é seu primeiro show em Londres desde 2010.

O momento parecia certo para realizar um desfile que poderia servir como um marcador no tempo após dois anos de mudanças sísmicas, disse ele. Além da pandemia e do ressurgimento do movimento Black Lives Matter, o pai de Boateng faleceu em 2020. Seu aniversário seria um dia antes do show.

“Parece que o mundo está prestes a se abrir novamente”, disse Boateng. “Só sei que tendemos a nos mover rápido demais e talvez esquecer o que aconteceu antes. E quero pontuar o momento e dizer: 'Olha, essa cultura tem contribuído, e nós contribuímos lindamente'”.

Boateng, que nasceu no final dos anos 60 em Londres, filho de pais ganenes, rapidamente construiu um nome para si mesmo no mundo da moda, combinando técnicas tradicionais de alfaiataria com uma estética mais moderna, aproveitando sua herança africana por meio do uso ousado de cores e tecidos. Sua marca, que ele lançou em 1989, apresentou uma nova e empolgante visão para roupas masculinas.

Em 1994, ele se tornou o primeiro alfaiate britânico a encenar um desfile como parte da Paris Fashion Week. No ano seguinte, abriu a sua primeira loja na rua, no final da famosa Savile Row, trazendo um novo sopro de vida ao local. Logo, ele estava vestindo celebridades como Will Smith, Daniel Day Lewis e Jaime Foxx. Em 2003, ele foi nomeado para o comando criativo da Givenchy Homme, de propriedade da LVMH. Depois de quatro anos, ele renunciou ao cargo, voltando toda a atenção para sua gravadora homônima. Nesse mesmo ano, ele abriu uma nova loja principal de 1,83km quadrados em Savile Row.

Sua nova coleção, que estará disponível apenas sob encomenda, é o casamento perfeito da herança britânica e africana de Boateng. Suas raízes ganesas transparecem na abundância de cores ricas, bem como em detalhes mais sutis, como os símbolos Adinkra que adornam as bombers de seda e os smokings de veludo, ou o tecido Kente usado para suas balaclavas. Sua influência de Saville Row está igualmente presente na alfaiataria e construção da coleção.

“Para mim, detalhe, têxtil, atenção ao corte: esse é o meu universo”, disse ele.

Você também vai gostar