Precisamos falar sobre a importância da acessibilidade nas marcas de beleza

por Inaê Ribeiro

Nós já falamos por aqui sobre a moda inclusiva e a importância das roupas adaptadas para pessoas com deficiência (PCD), afinal, todos nós devemos ter direito ao acesso a peças bonitas, estilosas, que sejam funcionais e fáceis de vestir. Mas você já parou para pensar sobre a acessibilidade nas marcas de beleza?

Basta que a gente tente imaginar alguns cenários, como a experiência de compra de produtos de beleza para uma pessoa cega ou a acessibilidade ao abrir uma embalagem para uma pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida, para que possamos entender, mesmo que minimamente, as dificuldades encontradas pelas PCDs. Segundo o IBGE, apenas no Brasil, temos 17 milhões de pessoas com deficiências, já no mundo todo é estimado que elas somam um bilhão de pessoas, então porque esse grupo de pessoas ainda é invisibilizado pelas marcas de beleza?

Quando falamos do mercado é clara a evolução que ocorreu nos últimos anos, como a expansão das gamas de tons, mais espaços nas lojas para marcas de beleza pertencentes a pessoas pretas e até mesmo uma melhor representação no marketing, mas ainda sim as pessoas com deficiência são deixadas de fora da conversa. Devido a anos de estigma cultural, essas pessoas dificilmente são associadas a algo bonito, digno de inspiração e até mesmo do espaço na nossa sociedade, mas, felizmente, conseguimos observar o início da mudança, com a chegada de marcas de beleza que criam produtos que atendem as necessidades das PCDs.

Existem diversas deficiências, que poderão afetar de maneiras diferentes as dificuldades encontradas na hora das pessoas se maquiarem. Pessoas com deficiências que afetam os braços, mãos, pescoço ou mesmo a cabeça, são as que encontram dificuldade na hora de aplicar a maquiagem ou realizar a rotina de skincare, algo que as marcas deveriam ter conhecimento na hora de desenvolver seus produtos.

Cailey Darling - maquiagem-colorida - marcas de beleza - inverno  - brasil - https://stealthelook.com.br
Foto: Cailey Darling (Reprodução/Instagram)

A norte-americana Cailey Darling é uma influenciadora e fã do mundo da maquiagem que tornou-se deficiente e deficiente visual após uma rara condição ocular em 2012 e, à medida que sua visão mudou, sua abordagem para os produtos e marcas de beleza também sofreu alteração. Em entrevista para o site ‘Allure’, Cailey contou que ela já era interessada no mundo da beleza antes da deficiência visual e à medida que seus problemas de visão mudavam, ela percebeu então que tinha novos padrões na busca por produtos.  "Parei de comprar com marcas que não incluíam informações detalhadas sobre cores e fórmulas em seu site e marcas de beleza que não incluíam amostras de cores na pele", dividiu durante a entrevista e ainda acrescentou que deixou de usar produtos que não possuem o indicador da cor na embalagem.

Esse é um dos problemas que não só dificultam a busca por produtos, como também afeta a independência das PCDs, já que se uma paleta de sombras não possui suas cores na embalagem ou o frasco de uma base não é transparente, por exemplo, é necessário que essas pessoas estejam sempre acompanhadas de outro alguém na hora de realizarem suas compras. Já as pessoas com dificuldades motoras encontram outras dificuldades na hora de se maquiarem. 

A maquiadora e cofundadora da BeautyBlender, Veronica Lorenz, viu sua relação com a make mudar de repente, após ser diagnosticada com um tumor benigno na coluna, e passar por uma cirurgia que deixou-a com pouca movimentação nas mãos, o que acabou levando ao fim a sua carreira como maquiadora. 

Apesar de suas mãos não terem mais a sensação e a destreza para realizar até mesmo as tarefas mais simples, Veronica persistiu no desejo de se maquiar. “Comecei a cortar pedaços de borracha da loja de artesanato e revesti-los com delineador para carimbar na minha asa”, explicou em uma entrevista para a Vogue UK. Ela conta que o truque funcionou e a levou à percepção de que muitas pessoas sofrem para realizar truques e etapas simples e clássicas da maquiagem. Foi então que Veronica lançou sua marca, a The Vamp Stamp, que conta com ferramentas que ajudam pessoas com mobilidade reduzida a criarem o delineado gatinho perfeito ou até mesmo outras técnicas de maquiagem, algo pioneiro no mercado!

Selena Gomez - maquiagem-pessoas-deficiencia - marcas de beleza - inverno  - brasil - https://stealthelook.com.br
Foto: Rare Beauty (Reprodução/Instagram)

A consciência desses processos e das dificuldades encontradas é exatamente o que falta em algumas marcas e levam outras a criarem produtos com acessibilidade. Um exemplo de marca que trouxe em seu DNA o desejo em atender as pessoas com deficiência é a Rare Beauty, marca de maquiagem da Selena Gomez. Com a missão de desestigmatizar a saúde mental e ajudar na descoberta de que o amor próprio é algo incrível e importante, a marca ainda traz outro elemento crucial, a inclusão. Além da variedade de tons, as embalagens dos produtos foram desenvolvidas de uma maneira que facilita o uso pelas pessoas com habilidade motoras reduzidas. 

Apesar de nunca ter sido dito abertamente pela marca, os fãs acreditam que essa acessibilidade está ligada ao diagnóstico de lúpus que a cantora, criadora da marca, possui e fala abertamente sobre desde 2015. As tampas arredondadas facilitam a abertura do produto para quem possui limitação de movimento, assim como Selena possui, já que perdeu a força nas mãos devido a doença.

a nossa esperança é de que a indústria da beleza continue crescendo, atendendo a todos e abraçando a diversidade

A Rare Beauty chega como um divisor de águas na indústria da beleza, dando voz à necessidade de produtos acessíveis. A verdade é que esperamos que a marca seja apenas o primeiro passo e que ao poucos outras empresas reformulem suas embalagens e produtos a fim de atender às PCDs. Afinal, os benefícios do design inclusivo não são exclusivos das pessoas com deficiência, pois quando estamos criando e dando acesso a um grupo de pessoas, estamos também libertando outras. Assim, a nossa esperança é de que a indústria da beleza continue crescendo, atendendo a todos e abraçando a diversidade presente em nosso mundo, garantindo que o maior objetivo desse mercado seja cumprido: ser uma ferramenta para valorização e expressão do nosso amor próprio.

LEIA MAIS:

Moda inclusiva: marcas brasileiras de roupas adaptadas para PCD

Paralisia cerebral: a influenciadora Isabella Savaget divide suas experiências de vida

Diversidade nas passarelas, chegamos lá ou ainda falta muito?

Moda e inclusão: tudo sobre o estilo da fotógrafa e ativista Maria Paula Vieira

Você também vai gostar