Como o uso das redes sociais aumentou a busca por cirurgias plásticas no Brasil

por Giulia Coronato

Você já parou para pensar o quanto o uso frequente e exagerado das redes sociais impacta na forma como enxergamos a nós mesmos? Segundo um estudo realizado pela Kantar, durante a pandemia do COVID-19, só no ano de 2020 no Brasil, o aumento no uso das redes sociais alcançou uma taxa de 40%. Então, seria inocência pensar que esse número não teria um efeito direto em nossa saúde mental e psicológica. Estudiosos sugerem, que o fato de passarmos grande parte de nossos dias engolidos por nossos smartphones e nos vendo através de uma câmera, aumentou exponencialmente a obsessão pela autoimagem e pela busca incessável por uma perfeição irreal, o que fez crescer a procura por cirurgias plásticas ao redor do mundo. 

Na verdade, o buraco é bem mais embaixo. Não foi só o contato com edições exageradas e com vidas maquiadas que levaram ao desenvolvimento, em uma parte significativa da população, dessa obsessão pela própria aparência, e no aumento da procura por cirurgias plásticas e procedimentos estéticos. A necessidade de usarmos softwares destinados a chamadas de vídeo durante a pandemia, por exemplo, seja para trabalhar ou para nos conectarmos com amigos e familiares, também influenciou. Pense comigo, quando estamos em uma vídeo chamada, é comum deixarmos a câmera maior no modo selfie, certo? É natural ficarmos nos olhando. Como em uma reunião via Zoom, as atenções podem estar focadas na nossa imagem, e pela primeira vez desde que nascemos, temos um 'espelho' nos mostrando cada movimento do nosso rosto enquanto falamos, respiramos, sorrimos ou expressamos qualquer reação. Essa atenção demasiada só fez com que as pessoas começassem a notar pontos em seus rostos que antes passavam despercebidos, e agora são vistos como defeitos que precisam de reparos.

It girls - cirurgias plásticas, redes sociais, autoestima - cirurgias plásticas - Inverno - Street Style  - https://stealthelook.com.br
Foto: Devon Carlson (Reprodução/Instagram)

Para entendermos melhor o assunto, e como as redes sociais influenciaram no aumento das cirurgias plásticas no Brasil e no mundo, entrevistamos o Dr. Frederico Keim, otorrinolaringologista e um dos cirurgiões plásticos mais renomados do país. Confira:

doutor, você acredita que o aumento do uso das redes sociais e a criação de novas plataformas - como o TikTok -, influenciaram no aumento da busca por cirurgias plásticas? se sim, porquê?

Dr. Fred: "Sem dúvidas o aumento no uso das redes sociais alavanca a busca por cirurgias plásticas. Isso acontece porque as pessoas passam a ter mais contato com imagens irreais - seja pelo uso de photoshop ou filtros - que projetam a perfeição. Mas eu percebi uma influência ainda maior por parte dos aplicativos de vídeos, como o “Zoom”, para fazer reuniões, ou o “Facetime”, para socializar com amigos e familiares. Nesses momentos, as pessoas prestam mais atenção em seus movimentos faciais e características próprias, do que no rosto dos colegas. É como se você trabalhasse e socializasse se olhando no espelho, o que gera uma obsessão enorme pela própria imagem."

quais foram as cirurgias que mais tiveram aumento?

Dr. Fred: "Especialistas do mundo inteiro estão relatando aumentos nas cirurgias plásticas faciais. Recentemente, a Associação Americana de Cirurgia Plástica Facial e Reconstrutiva, divulgou uma pesquisa que mostra um aumento de 40% em cirurgias faciais entre 2020 e 2021, em decorrência da pandemia. O aumento da importância das redes sociais para se comunicar, aliado ao isolamento social e uso de máscaras, proporcionou o momento ideal para muitas pessoas colocarem em prática seus desejos estéticos."

esse aumento aconteceu em uma faixa etária específica, ou foi sentido em todas as gerações?

Dr. Fred: "Aqui no consultório sentimos um aumento na busca por cirurgias plásticas entre as mais diversas faixas etárias, desde os mais jovens até os mais velhos, com destaque para o público de 25 a 45 anos. Outro dado interessante é que também percebemos um aumento nas cirurgias plásticas masculinas, o que pode ser um reflexo dessa nova tendência causada pelas redes sociais."

você possui uma grande plataforma em seu Instagram, qual você acha que é sua responsabilidade como cirurgião dentro das redes sociais?

Dr. Fred: "A cirurgia plástica, mais especificamente a rinoplastia, é a minha vida. Eu dedico todo meu foco e tempo para me aperfeiçoar, cada vez mais, nessa técnica que, como toda área da medicina, requer muita disciplina para que o melhor resultado seja entregue ao paciente. Por isso, eu entendo a influência que exerço no mundo virtual, tanto sobre as pessoas que desejam realizar plásticas, quanto sobre estudiosos e colegas da área, e busco praticar essa influência da forma mais íntegra possível. Estou sempre munindo meus seguidores com muitas informações sobre o pré e pós-operatório, sobre o dia a dia no centro cirúrgico, a importância da decisão de fazer uma plástica e, mais importante, sobre a confiança que você deve ter no cirurgião escolhido. Quanto mais informações o paciente tiver, maiores as chances de ele ficar satisfeito com todo o processo que envolve uma cirurgia plástica."

você acredita que o impacto das redes sociais nas cirurgias plásticas pode ser positivo?

Dr. Fred: "Como tudo na vida, a internet possui pontos negativos e outros positivos. Se por um lado as pessoas estão mais obcecadas e incomodadas com a própria imagem, por outro, elas têm acesso a muita informação. Então, por meio das redes sociais, uma pessoa que deseja realizar uma cirurgia plástica pode entrar em contato com alguém que já fez algum procedimento, tirar dúvidas com diversos médicos que estão on-line e disponíveis para responder os usuários, ler artigos sobre o tema, assistir vídeos e muito mais. Tudo isso pode ajudar a pessoa a tomar decisões mais assertivas."

qual conselho você dá para jovens que desejam fazer algum procedimento?

Dr. Fred: "Se a pessoa tem o sonho de realizar uma cirurgia plástica, ela deve, primeiramente, entender que optar por um procedimento cirúrgico é algo sério, que envolve uma transformação física que em muitos casos não tem volta. A cirurgia corrige e melhora a estética do paciente, mas nem sempre resolve questões mais profundas de problemas com a autoestima. Nesses casos, o recomendado é um atendimento psicológico para fortalecer a própria imagem. Se a decisão for mesmo pela cirurgia plástica, o paciente deve procurar um profissional competente, de alta capacidade técnica, com registro reconhecido pelos conselhos de medicina. Esse médico deve transmitir segurança, compreendendo o que o paciente espera do procedimento, tirando dúvidas e explicando todo o passo a passo. O paciente também deve checar se a cirurgia será feita em centro cirúrgico adequado, inclusive para atender alguma emergência que possa surgir durante o procedimento."

It girls - cirurgias plásticas, redes sociais, autoestima - cirurgias plásticas - Inverno - Street Style  - https://stealthelook.com.br
Foto: Kendall Jenner (Reprodução/Instagram)

 Caso você queira realizar uma cirurgia plástica, faça uma auto análise de quais são os motivos por trás disso, procure ajuda de um profissional para esclarecer suas dúvidas e lembre-se que a vontade de mudar algo em você deve partir de um lugar de amor pelo próprio corpo, e não ódio ou repulsa. 

LEIA MAIS:

Os filtros do Instagram estão impactando negativamente nossa autoestima? 

Precisamos falar sobre: neutralidade corporal e edições exageradas

Precisamos falar sobre: a cultura do glow up

Você também vai gostar