Lizzo está lançando uma marca de shapewear e te contamos o porquê

por The Look Stealers

Como muitas pessoas criadas no padrão de beleza magro, que colocou várias gerações de mulheres em cintas beges do final dos anos 90 ao início dos anos 2000, Lizzo tem más lembranças de roupas de compressão. "Assim que comecei a aprender a ter vergonha do meu corpo, eu estava de shapewear", disse a artista, que tem 33 anos. “Eu estava com cintas e estava amarrando meu estômago.” Ela usava roupas com barbatanas de plástico na escola que cortavam sua pele. “Eu tirava no final do dia, estava sangrando, e [a roupa íntima] quebrava a minha pele, e eu ficava tipo: ‘estou na sétima série!’” Ela normalizou o caso, disse ela. “Eu pensei que era super normal estar tão insatisfeita e disposta a esconder meu corpo.”

Nos anos que seguintes, Lizzo começou a descobrir seu amor-próprio e decidiu mudar a direção. “Eu parei de tentar me esconder. Parei de usar sutiãs e até calcinhas”. Então ela "entrou na moda" e começou a pensar em seu corpo de uma maneira ainda mais prazerosa, divertida e sutil. “Comecei a me divertir com a forma do meu corpo. E agora que eu realmente gosto do meu corpo, não há nada a esconder.” Então, ela está buscando vingança, de certa forma, das peças que a machucaram há tanto tempo: ela quer revolucionar a indústria de shapewear com sua própria marca, Yitty.

Lizzo - fashion - Shapewear - Notícia - Yitty - https://stealthelook.com.br
Foto: Lizzo (Reprodução)

Embora a própria base do shapewear seja a vergonha - afinal, são roupas que suavizam e comprimem os elementos de nossos corpos que parte da sociedade considera desagradáveis - Lizzo acredita que tem o potencial de ser empoderadora. Essa é a ideia por trás de Yitty, ela disse: "não é uma coisa ruim se eu não estiver usando para fazer coisas ruins ao meu corpo". Não se trata de fazer com que suas roupas pareçam lisas e perfeitas. "Trata-se de você se apropriar de sua presença física, sua identidade neste mundo", disse ela. “E não permitir que uma peça de roupa dite como você deve se sentir em relação ao seu corpo. Você está dizendo à peça de roupa: 'é assim que me sinto sobre o meu corpo hoje.’ Estamos dando às consumidoras a autonomia para escolher diferentes níveis de compressão e estilo. São realmente elas que estão tomando as decisões. Elas são as chefes. Você sabe, está nas mãos delas.”

Vestindo uma camiseta rosa da linha, Lizzo explicou como ela realmente desenvolveu a marca, que está em andamento há muito tempo. Ela fez uma parceria com a Fabletics, a marca ativa fundada por Kate Hudson em 2013. "Muita da tecnologia já foi incorporada", disse ela sobre sua seleção de tecidos, que variam em resistência à compressão e vêm em uma infinidade de tons de pele.

Quase tudo o que Lizzo sugeriu, Fabletics disse a ela: "já sabemos como fazer isso". Ela até se encontrou com vários outros investidores que não entenderam a escala de sua visão ou lhe ofereceram a chance de fazer apenas uma cápsula. Yitty, cujo primeiro drop chega em 12 de abril, incluirá três coleções para começar: Nearly Naked, "projetada para moldar e firmar confortavelmente suas curvas naturais o dia todo", de acordo com um comunicado de imprensa; Mesh Me, cujos estilos podem ser usados como roupas íntimas ou para sair; e Major Label, que compreende peças de lifestyle. Os tamanhos da Yitty vão de 6X a extra pequeno.

Lizzo - fashion - Shapewear - Notícia - Yitty - https://stealthelook.com.br
Foto: Lizzo (Reprodução)

O mais intrigante - ou seja, talvez o mais revolucionário - é que as peças também são destinadas a serem usadas como roupas para sair. “Eu fiquei tipo: quero criar um produto que, mesmo que você o veja, não seja vergonhoso. Não é embaraçoso. Na verdade, é sexy e libertador e você poderia tirar a camisa e dizer: 'Sim, estou usando um sutiã azul brilhante, ou um sutiã modelador, ou o que quer que seja debaixo da minha camisa.' E mesmo que você queira ir para uma festa, você pode tirar suas roupas de trabalho e ter um look inteiro por baixo.”

À medida que a fabricação de roupas se tornou mais rápida e globalizada, projetada não para viver, mas para a possibilidade de um visual, a própria roupa piorou. A promessa de camisetas, tops, roupas íntimas e sutiãs que não sobem é tão revolucionária quanto Lizzo proclama. "Eu entraria no shopping já derrotado porque sabia que não encontraria nada além de joias naquele dia", lembrou ela. “E a indústria está mudando para corpos maiores, mas muito devagar.”

Embora as marcas de shapewear sejam um mercado de moda em expansão, Yitty aparece em um ponto de inflexão significativo no movimento de positividade corporal. Modelos plus size continuam a aparecer nas passarelas, mas as próprias marcas que as lançam em shows não vendem roupas do seu tamanho em suas lojas. O shapewear ainda se concentra em alcançar um corpo idealizado, e sua ascensão - através de marcas como Kim Kardashians Skims, que foi recentemente avaliada em mais de US$ 3 bilhões, e Fenty, marca de roupas íntimas de sucesso da Rihanna - aconteceu simultaneamente com uma nova proeminência de silhuetas na moda que enfatizam a forma física.

Lizzo - fashion - Shapewear - Notícia -  Yitty - https://stealthelook.com.br
Foto: Lizzo (Reprodução)

Para Lizzo, o boom do shapewear é anterior a essas tendências athleisure, ela apontou, “era uma tendência e, em seguida, tornou-se um estilo de vida. Como se estivéssemos nos vestindo para malhar, mas não fôssemos malhar. E é um look: você coloca algumas joias, um tênis fofo, um pão bagunçado e vai pegar seu café. É uma estética. Eu acho que mostrar seu corpo sexy é uma coisa boa.” Não faz muito tempo que calças e leggings de yoga estavam "chocando em público". Agora eles são o uniforme aspiracional de todos os influenciadores e celebridades. Além disso, à medida que a moda de passarela continua a se infiltrar em designs de fast fashion, os vestidos bodycon continuam sendo as formas padrões em sites como Shein e Fashion Nova.

Ainda assim, muitos observadores de moda temem que a indústria esteja voltando para uma época em que os próprios corpos eram tendências. Lizzo resistiu a essa avaliação: “Eu, em primeiro lugar, acho que todos os corpos são bonitos, e as mulheres magras são lindas e merecem ser modelos, assim como garotas gordas e mid-sizes.” Mas muitas dessas silhuetas, apontou Lizzo, fazem referência claramente ao início dos anos 2000, quando um tipo de corpo ultra magro foi promovido pela indústria da moda como padrão. “Eu acho que as pessoas acreditam que porque era popular no início dos anos 2000 e, porque tinha um tipo de corpo padrão naquela época, deveria ser assim agora, mas isso não é verdade.”

“Não vai cair assim.” Pelo menos no mundo de Yitty.

LEIA MAIS:

7 biquínis tendência que a Lizzo usou e agora nós queremos usar

Vestido bodycon: 7 modelos de tricô que vão bombar nos looks de inverno

Bodycon: a tendência sexy que estava em todas as passarelas da última temporada

Precisamos falar sobre: neutralidade corporal e edições exageradas

Você também vai gostar